terça-feira, 28 de junho de 2011

RÁDIO

MEDIADORES DE LEITURA 5   
Ana Amélia Butzen Perius, Arlindo Artur Blum, Clarice Claudete Koslowski
Karin Maria Neis e Mariléia Thum Pich
UAB – Polo de Cerro Largo – RS
BLOG: mediadoresleitura5.blogspot.com


PROJETO RÁDIO ESCOLA

DURAÇÃO:
Segundo Semestre de 2011.

JUSTIFICATIVA:
Este é um projeto que será desenvolvido pelos alunos do grupo 5, do Curso de Extensão de Mediadores de Leitura na Bibliodiversidade – Polo UAB Cerro Largo, com aplicação prática na Escola Estadual de Ensino Fundamental Dr. Otto Flach – CIEP, nas séries iniciais do Ensino Fundamental, cuja finalidade é mediar a leitura de diversos gêneros textuais de forma significativa e prazerosa.

OBJETIVO GERAL:
Oportunizar a todos os alunos da Escola a participação na elaboração e execução do projeto RÁDIO ESCOLA através da seleção de textos informativos, persuasivos, literários, de entretenimento e lúdicos para as sessões semanais.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
Sensibilizar a comunidade escolar para a importância do ato de formação de leitores;
Fazer parcerias com instituições de cultura, universidades, escolas de formação de professores, contadores de histórias, amigos da escola e principalmente uma participação ativa dos pais;
Organizar com os professores dos anos iniciais, reflexões sobre a importância da leitura na formação de nossos educandos;
Ser o professor um exemplo de leitor no ambiente escolar;
Conhecer histórias variadas e ampliar o vocabulário;
Envolver todo o corpo docente e discente da Escola.
Incentivar os alunos a desenvolverem sua criatividade, raciocínio, através da leitura e escuta das programações do projeto;
Investir na formação de leitores para que consigam compreender, interpretar e reproduzir os gêneros textuais;
Evidenciar através dos programas produzidos e apresentados pelos alunos e professores a interdisciplinaridade inerente ao Projeto;
Desenvolver habilidades e tendências comunicacionais dos participantes;
Assessorar os profissionais envolvidos no projeto para que se utilizem do rádio como um instrumento eficaz de ensino dos diversos gêneros textuais;
Reconhecer crianças e adolescentes como produtores de cultura, integrando-os aos gêneros literários;
Exercitar a comunicação oral, aperfeiçoando a objetividade e clareza de exposição do pensamento
Favorecer a convivência e trabalho em grupo, respeitando diferenças, níveis de conhecimento e ritmos de aprendizagem de cada integrante da equipe.
Promover a sensibilização para que a criança possa compreender diferentes gêneros textuais;
Promover o empréstimo de livros, garantindo a participação e interação da família neste processo de incentivo a leitura;
Incentivar o uso das tecnologias (TV, DVD, CD, Computador, Internet, Rádio, Imagem verbal e não-verbal, etc);
METODOLOGIA
O referido projeto compreende o desenvolvimento de várias atividades durante o segundo semestre de 2011, tais como:
Exposição do projeto a todos os professores da escola, para apreciação, debate, aprofundar ideias e sugestões;
Reunião com pais, para solicitar o apoio, no sentido de incentivarem e participarem das atividades em conjunto com os alunos;
Organização na Escola de uma biblioteca itinerante, com livros de literatura infantil, dicionários, gibis, revistas, jornais, etc, como subsídios para a elaboração do programa a ser apresentado na Rádio Escola.
Organização dos espaços para ler e ouvir a programação que será apresentada na Rádio Escola, pela turma responsável (as histórias serão lidas e contadas pelo professor da turma, por alunos, pais voluntários, contadores de histórias, amigos da escola, alunos monitores dos anos finais e/ou alunos de universidades ou de cursos de magistério-parcerias);
O trabalho em sala de aula deverá ser com diferentes suportes de textos;
Narrativas (histórias de autoria conhecida ou não), contos de fadas, fábulas, lendas, folclore, etc;
Poemas para serem lidos ou recitados;
Quadrinhas, parlendas, adivinhações, trava-línguas, ditos populares;
Reportagens, notícias;
Textos didáticos;
Música no horário do recreio e rádio da escola;
Trabalho com cartas, bilhetes, internet, realizando intercâmbio com outras escolas;
Exploração de diferentes gêneros textuais;

CULMINÂNCIA
Realizar ao término do ano letivo a semana cultural da escola, com apresentações de diversas atividades, segundo um cronograma organizado previamente, sugere-se:
1° Sarau Literário da Escola: com recital de poesias, danças, dramatizações, peças teatrais, paródias;
Tarde de Autógrafos: com a produção textual da turma (coletânea de textos e histórias produzidas durante o semestre);
Exposição de Trabalhos: desenhos, obras de arte criadas pelos alunos, jornal mural com notícias da escola e comunidade;
Postagem dos Trabalhos dos Alunos no Blog da Escola;
Concurso de Poesias/Poemas;
Exposição Fotográfica: fotos da comunidade, da escola e dos trabalhos realizados durante o semestre;

AVALIAÇÃO
Será considerado satisfatório, se houver envolvimento de toda comunidade escolar e se realmente conseguirmos incentivar a maioria dos alunos a cultivar hábitos de leitura dos mais variados gêneros textuais, tendo através da Rádio Escola, consolidando uma prática que fortaleceu a expressão criativa e peculiar de cada educando.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Ferreiro, Emílio. Com todas as Letras: 3.ed. Tradução de Mª Zilda da Cunha Lopes. SP: Cortez, 1993. 102p.
PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS (1ª A 4ª SÉRIE ) Volume 2 Língua portuguesa.
Pró-Letramento : Programa de Formação Continuada de Professores dos anos/séries do Ensino Fundamental : Alfabetização e Linguagem. ed. rev. e ampl. incluindo SAEB/ Prova Brasil Matriz de Referência/ Secretaria de Educação Básica - Brasília : Ministério de Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008, 364p.


ABRIR AS PORTAS E JANELAS DO MUNDO POR MEIO DA LEITURA, DA ORALIDADE E SER CAPAZ DE SE RELACIONAR BEM NAS DIFERENTES PRÁTICAS SOCIAIS. “LER NÃO É MAIS UMA MARCA DE SABEDORIA, MAS DE CIDADANIA”. EMILIA FERREIRO.

SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROGRAMA:
Mensagem, textos literários, argumentativos, entrevista, receitas, entre outros.
Avisos;
Recados;
Lembretes;
Notícias (da Escola, Município, Região, Estado, País e Mundo);
Curiosidades;
Músicas.

CRONOGRAMA DE APRESENTAÇÕES:

1.    08/08/2011 = Educação Infantil (segunda-feira)
2.    23/08/2011 = 1ª série/9anos (terça-feira)
3.    01/09/2011 = 2ª série A/9anos (quinta-feira)
4.    22/09/2011 = 2ª série B/9anos (quinta-feira)
5.    03/10/2011 = 3ª série A/9anos (segunda-feira)
6.    19/10/2011 = 3ª série B/9anos (quarta-feira)
7.    07/11/2011 = 4ª série/9anos (segunda-feira)

TEMPO: 30 MINUTOS.

IMPORTANTE: A organização da programação deve envolver todas as disciplinas.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

EXPERIMENTAÇÃO DE PRÁTICAS DE LEITURA: PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

  • PÚBLICO-ALVO: Adolescente e pré-adolescentes, leitores das série finais do Ensino Fundamental.
  • OBJETIVO DA PRÁTICA LEITORA: Em meio a uma sociedade em que cada vez mais a hipocrisia, a falsidade e a mentira se alastram e chegam a todos os setores, refletir sobre a importância  de sermos cidadãos honestos, verdadeiros e coerentes em nossa ações.
  • MATEIRAIS E RECURSOS:
            1. Textos "A Língua e os dentes" de Leonardo da Vinci
                           " Júpiter e os lenhadores" de Esopo
                           " O garoto pastor e o lobo" de Esopo
            2. Imagem: Gravura, foto e desenho
            3. Tabela e Gráfico: Razões mais comuns para a mentira entre os jovens
            4. Livro "Olha o olho da menina" de Marisa Prado
            5. Poema "Verdade, irmã do amor e da justiça" de Antero de Quental
            6. História em Quadrinhos "Primeiro de Abril" e Tira "O mentiroso"
            7. Charge "A mentira tem pernas curtas" e "Promessas"
            8. Música:  com clipe "Mentiras e Fracassos" NxZero
                              com vídeo "Verdades e Mentiras" Sá e Guarabira

1. TEXTOS

1. Fábulas

A LÍNGUA E OS DENTES
                                  Leonardo da Vinci 
   Era uma vez um menino que tinha o mau hábito de falar mais que o necessário.
- Que língua! - suspiraram os dentes certo dia - nunca fica parada, nunca sossega!
- Por que é que vocês estão resmungando? - perguntou a língua em tom arrogante - vocês, os dentes, são meros escravos, e seu trabalho resume-se em mastigar o que eu decidir. Não temos nada em comum, e não permitirei que vocês se metam em meus negócios.
E então o menino continuou falando, algumas vezes de maneira imprópria, e sua língua sentia-se muito feliz, aprendendo novas palavras a cada dia.
Porém um dia o menino comportou-se mal e permitiu à sua língua contar uma grande mentira. Os dentes obedeceram ao coração, fecharam-se e morderam a língua.
A partir desse dia a língua tornou-se tímida e prudente, e passou a pensar duas vezes antes de falar.

JÚPITER E OS LENHADORES
                                                  Esopo
      Era uma vez um lenhador que fazia seu trabalho às margens de um rio de águas cristalinas. Num golpe repentino seu machado escapou e foi parar no fundo do rio.
No mesmo instante o lenhador mergulhou e procurou seu machado, sem sucesso. Que infelicidade! Perder sua ferramenta de trabalho...
     E o lenhador, encostado numa pedra, chorou com sentimento:
_ Eis na água meu sustento! Que os céus ouçam meu lamento! Como vou criar meus filhos, trabalhar sem minha ferramenta?
Quando levantou os olhos levou um susto. Júpiter, o mais importante dos deuses, tinha escutado seu clamor e foi ao seu encontro.
_ É isso que procuras, lenhador? Então, não chores mais! É este seu machado?
Com essas palavras, Júpiter tirou de dentro das águas um magnífico machado de ouro.
_ Não! _ exclamou o lenhador! _ Meu machado mais simples, senhor...
O deus, então, deixou o machado de ouro, à beira do rio, mergulhou e trouxe dessa vez um belo machado de prata. Com satisfação afirmou:
_ Agora sim! Como pude me enganar? Aqui está o seu machado...
Sem saber que se tratava do próprio deus Júpiter que estava à sua frente, o lenhador, meio sem jeito, falou:
_ Meu bondoso senhor, deveria me perdoar, mas este também não é o meu! Meu machado é velho, seu cabo é de madeira e até está enferrujado, não se compara a estes...
Júpiter, então, deixou o machado de prata ao lado do machado de ouro à margem do rio e voltou a mergulhar.
Desta vez trouxe o velho machado e o entregou ao lenhador, que de tanta felicidade quase não conseguia falar.
_ Muito obrigado, senhor! É esse mesmo! O meu velho e bom machado! Ele mesmo! Obrigado!!!
E diante da honestidade do lenhador presenteou-o com os outros machados também, desaparecendo misteriosamente, em seguida!
O lenhador pegou nos braços o seu tesouro e, ao encontrar com um grupo de amigos, contou o que havia acontecido.
Os amigos não conseguiram tirar os olhos de cima daquele tesouro que ele carregava nos braços.
Um deles, muito invejoso, depois de ter ouvido o acontecido, partiu em direção ao rio e, repetindo passo a passo o que o sortudo fez, pôs-se a chorar, encostado numa pedra.
_ Como isso pôde acontecer? O que farei agora? Como poderei trabalhar? Oh! Que destino desgraçado!
E para sua confirmação Júpiter apareceu e trouxe em suas mãos um belíssimo machado de ouro.
_ Que maravilha!!! _exclamou sem mais um choro... _ O senhor o encontrou... é o meu machado!
     Quando o homem ia pegar o machado de ouro, Júpiter ficou tão furioso ao perceber sua desonestidade que lançou o machado de ouro nas águas novamente e ainda aumentou a correnteza para que carregasse para sempre o verdadeiro machado do lenhador.
     MORAL: Só se ganha com a verdade.


O Garoto Pastor e o Lobo

        Um Jovem Pastor de ovelhas, encarregado que fora de tomar conta de um rebanho perto de um vilarejo, por três ou quatro vezes, fez com que os moradores e donos dos animais, viessem correndo apavorados ao local do pasto, sempre motivados pelos seus gritos: "Lobo! Lobo!".
       E quando eles chegavam ao pastoreio, imaginando que o jovem estava em apuros com o Lobo, encontravam-no zombando do pavor que estes demonstravam.
     O Lobo, entretanto, por fim, de fato se aproximou do rebanho. Então, o jovem pastor, agora realmente apavorado, tomado de pavor, gritava desesperado: "Por Favor, venham me ajudar; o Lobo está matando todo o rebanho!". Mas, ninguém deu ouvidos aos seus gritos.
Autor: Esopo
Moral da História:
Ninguém acredita em um mentiroso, mesmo quando fala a verdade.

2. IMAGEM

1. Gravura


2. Foto

3. Desenho

3. TABELA E GRÁFICO

1. Tabela


RAZÕES MAIS COMUNS PARA A MENTIRA ENTRE OS JOVENS
%
RECEIO DAS CONSEQUÊNCIAS
42
INSEGURANÇA, BAIXA AUTO-ESTIMA
31
RAZÕES EXTERNAS (PRESSÃO, COAÇÃO)
9
GANHOS E REGALIAS
7
RAZÕES PATOLÓGICAS
1

2. Gráfico

4. LIVRO

Livro "Olha o olho da menina"
               Texto: Marisa Prado
               Ilustração: Ziraldo

5. POEMA

Soneto

Verdade, irmã do amor e da justiça
                           Antero de Quental
Verdade, irmã do amor e da justiça,
Mais uma vez escuta minha prece.
É a voz de um coração que te pede,
De uma alma livre, só a ti submissa.

Por ti é que a esperança
De homens e mulheres e mundos permanece,
E é por ti que a virtude prevalece,
E aparece num sorriso de criança.

Por ti, num mundo confuso as nações
Buscam a liberdade, entre clarões.
E os que olham o futuro e acreditam, mudos,

Por ti podem sofrer e não se abatem,
Todos aqueles que combatem
Tendo o teu nome escrito em seus escudos.

6. HISTÓRIA EM QUADRINHOS E TIRA

1. História em Quadrinhos " Primeiro de Abril"


 2. Tira " O mentiroso"

7. CHARGE

1. Charge "A mentira tem pernas curtas"


2. Charge "Promessas"

8. MUSICA

1.  Música e clipe

Mentiras e Fracassos

NxZero
Composição : Fi Ricardo
Eu não vou mais mentir
Eu não vou tentar ser
Algo que não sou
Não dá mais para fingir que não vou me importar
O jogo terminou
E agora?
O que faço?
Os sonhos se perdem no tempo e ninguém vê
São tantas decepções
Mentiras e fracassos
É difícil acreditar
Que vai ser diferente
Dessa vez não vou cair
Sinto que recomeçou
E agora?
O que faço?
Só me resta a angústia da incerteza
No vão dos sentimentos que deixei para trás
Sobra a desconfiança de ser superficial
No vão dos sentimentos que deixei para trás
Sobra a desconfiança de ser superficial


2. Música e vídeo

Verdades e mentiras

Sá e Grarabira
Composição : Sá/Guarabira
Responda depressa quem se acha esperto
Quem sabe de tudo que é certo na vida
Porque que a cara feroz da mentira
Nos pode trazer tanta felicidade
Porque que na hora da grande verdade
Às vezes o povo se esconde se esquece
Verdade...
esconde esconde,
jogo de esconde esconde
tudo se esconderá
Mentira...
esconde esconde,
jogo de esconde esconde
tudo se esconderá
Verdade, mentira
Verdade ou mentira
Às vezes é sua inimiga a verdade
Às vezes é sua aliada a mentira
Aquilo que a vida nos dá e nos tira
Não anda de braços com a sinceridade
Por onde será que é mais curto o caminho
Qual deles mais sobre
Qual deles mais desce
Verdade...
esconde esconde,
jogo de esconde esconde
tudo se esconderá
Mentira...
esconde esconde,
jogo de esconde esconde
tudo se esconderá
Verdade, mentira
Verdade ou mentira
Tem gente que jura que a vida é virtude
Tem gente que faz o bem por falcidade
Não há no universo uma força que mude
O dom da mentira, o som da verdade
A lábia do sábio, a arma do rude
São Deus e o Diabo unidos na prece
Verdade...
esconde esconde,
jogo de esconde esconde
tudo se esconderá
Mentira...
esconde esconde,
jogo de esconde esconde
tudo se esconderá
Verdade, mentira
Verdade ou mentira
esconde esconde,
jogo de esconde esconde
tudo se esconderá
Mentira...
esconde esconde,
jogo de esconde esconde
tudo se esconderá
Verdade...
esconde esconde,
jogo de esconde esconde
tudo se esconderá
Mentira

domingo, 29 de maio de 2011

IMAGEM E POESIA


Imagem:
                                Quadro INFÂNCIA (Orfanato) da pintora brasileira Tarcila do Amaral.


Poesia:
INFÂNCIA NO ORFANATO

O que é a infância?
Circunstância...
De vida tem ânsia.
E no orfanato?
De fato...
Jamais um ornato.
Circunstância,
Um belo retrato.
Infância no orfanato
Seria perder a infância?
Seria ganhar um teto?
Sonhá-la sem mal trato,
Vida em abundância,
Infância no orfanato.
Apesar de tanta distância,
Com o amor ter contato.

Infância no orfanato
Não é como viver na estância,
Mas tem brincadeira de gato e rato.
Também tem implicância
E esconde-esconde de sapato.

Infância no orfanato
É vida sem ganância,
Família sem o tradicional formato.
Atitudes em vigilância
Com a esperança um firme contrato.
Infância...
no orfanato.

A pintora e desenhista Tarsila do Amaral foi uma  das figuras centrais da pintura brasileira e da primeira fase do movimento modernista brasileiro, nasceu em Capivari em 1886 e faleceu em 17 de janeiro de 1973 São Paulo.
Tarsila do Amaral, através de sua obra, revolucionou a arte no Brasil, definindo sua ambiçã nas artes da seguinte forma: "Quero ser uma pintora da minha terra". 
Sua obra passou por diversas fazes: pintura “pau-brasil” dotada de cores e temas acentuadamente brasileiros, pintura de temas sociais e pintura antropofágica.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Releitura do Conto "A CARTOMANTE" de Machado de Assis



A CIGANA

    - Pare de rir, Fredy. Não é brincadeira,você não percebe que o que ela me disse é verdade?
   - Ora, Raquel, só você mesmo para acreditar na profecia de uma cigana. Até parece que você não conhece a história dos ciganos... São especialistas em enganar, trapacear e essa história de ler a mão, francamente Raquel, só rindo mesmo.
   - Tudo bem, mas e como você explica o fato de ela ler nas linhas da minha mão que eu encontrei recentemente um grande amor, que há duas pessoas em minha vida e...
    - Tá certo, tá certo, não vamos discutir. Quer acreditar, acredita. Pior cego é o que não quer ver.
    - Cega eu, ta legal! Saiba que estou com os olhos bem abertos, de olho em você. Sorte sua que a cigana me confirmou seu amor.
    Frederico e Raquel mantinham um relacionamento há meses, encontrando-se sempre em locais diferentes para evitar que Mickael desconfiasse do envolvimento dos dois.
    Mickael  e Frederico eram amigos de infância e juventude. Estudaram juntos até o final do ensino médio, quando Mickael  ingressou no curso de Engenharia na UFRGS e mudou-se para a capital. Frederico não deu seguimento aos estudos, ficou em sua cidade, arrumou um emprego de auxiliar administrativo em uma empresa da cidade e foi levando a vida.
    Sempre que Mickael  vinha aos feriados ou mesmo nas férias, os dois amigos se encontravam e faziam programas juntos. Aos poucos Mickael  foi diminuindo suas vindas, havia arrumado uma namorada que descrevia ao amigo como uma tremenda gata.
    Concluída a faculdade, Mickael  é contratado por uma empresa paulista, se casa com a namorada Raquel e fica um bom tempo sem voltar à cidade natal, já que seus pais não residem mais ali.
    Até que uma grande obra a ser construída na região traz Mickael como engenheiro-chefe de volta à cidade e ao convívio do amigo.
Raquel encontra dificuldades em se ambientar na cidade pequena, o marido sempre trabalhando e viajando muito. Frederico, tentando prestar um favor ao amigo, procura mostrar a cidade a Raquel, fazendo passeios e visitas para que ela se sinta menos solitária. Sabe que o amigo confia nele e tem sempre bem presente que o mesmo não admitiria traição. Não bastasse o convívio direto, passam a trocar idéias e opiniões através do MSN e do celular. 
    No aniversário de Frederico, Mickael  está na cidade e, acompanhado de Raquel, vai ao jantar de comemoração. Mickael  dá ao amigo uma camisa oficial do seu time e Raquel discretamente lhe alcança um guardanapo onde escreveu sua mensagem de aniversário. A camisa tão cobiçada passa despercebida e o simples pedaço de papel passa a ser o melhor presente que jamais recebera. O inevitável acontece, está perdidamente apaixonado pela esposa do amigo. A familiaridade e o convívio foram tornando-os íntimos e tanto Raquel quanto Frederico acabam por se envolver. Procuram tomar todos os cuidados para que Mickael  não desconfie de nada. Marcam seus encontros por mensagens no celular imediatamente deletadas após o recebimento. Vão para cidades vizinhas onde frequentam motéis, restaurantes, hotéis e cabanas.
    Certa manhã, ao abrir sua caixa de e-mail, uma mensagem escancara sua situação de amante, traidor da confiança de seu amigo.
    Frederico se afasta do convívio do casal para disfarçar e evitar falatórios. Mickael  continua confiando no amigo e chamando-o à casa quando não está em viagem. Ao que Frederico arranja desculpas para não comparecer, chega a inventar que “está ficando” com uma garota.
    Foi quando Raquel, em uma cidade vizinha, indo ao encontro do amante, cruza pela cigana que lê a sua mão e aponta um final feliz para o seu romance.
Sobre a acusação recebida por e-mail, Raquel não acredita que seja de Mickael :
    - Não, ele anda sempre tão atarefado e sabe que vou às cidades vizinhas para “consultas” a médicos e dentistas e passeios pelo comércio.
    Certamente ele imagine que a esposa sinta saudades dos shoppings e galerias que frequentava quando residia em São Paulo ou mesmo em Porto Alegre, precisando distrair-se em passeios pelas ruas mais movimentadas dessas pequenas cidades que agora visita.
    No entanto, para não dar margem ao azar, decidem manter-se afastados por um tempo. Ela continuaria com seus passeios, mas não mais se encontrariam.
    Antes de voltar para casa, Frederico compra um novo chip para seu celular a fim de que possa se comunicar com Raquel através de um número desconhecido para Mickael , caso precise. Então volta ao seu pensamento o ditado recém dito à Raquel. “O pior cego é o que não quer ver”. Seria Mickael  um cego que não quer ver? Será que seu amigo suspeita, mas não quer saber? Seria bom, poderiam muito bem continuar assim, os três. Talvez devesse voltar ao convívio do casal, pois era possível que Mickael  não quisesse saber de nada. E o e-mail provavelmente era de alguém com inveja dele. Afinal, cidade pequena é assim, adoram um babado. E se o circo pegar fogo, melhor.
    Dois ou três dias depois, Frederico recebe uma mensagem de Mickael  no celular:
    - Vem até aqui em casa agora. Preciso urgentemente falar com você.
    Era passado do meio-dia e ele estava iniciando seu almoço no restaurante.
   O que Mickael  poderia querer com ele àquela hora? Talvez não fosse cego, teria descoberto e estava prestes a tirar satisfação do amigo. Mickael  nunca mandara mensagem para ele, por que essa agora? Onde estaria Raquel? Pegou o telefone de número desconhecido e discou o número de Raquel, a ligação caiu na caixa de mensagens. O que estaria acontecendo? E se Mickael quisesse vingar a traição matando Raquel?
Frederico olhava as pessoas entrando no restaurante, parecia que todas sabiam da mensagem que recebera e cobravam uma atitude sua. Lê novamente a mensagem, agora imaginando-a dita pelo amigo. Sai deixando seu prato servido sobre a mesa. Ao se dirigir até seu carro, percebe em um banco da praça duas ciganas. Imediatamente lembra da consulta de Raquel e da profecia da cigana. Mas ele, não ele não era cego.
    Novamente a mensagem lhe vem à mente. E então:
    - Moço, posso ver sua sorte?
    - Ahn?!
    - A sorte senhor, posso ler sua sorte?
    Tomando a mão de Frederico e percorrendo-a com o dedo indicador a cigana lhe diz:
   - O senhor levou um susto! Está vendo esta linha partida aqui, é uma preocupação muito grande, alguém com inveja, querendo o seu mal, mas nada de ruim vai lhe acontecer. Vejo uma mulher muito bonita em sua vida, ela está lhe esperando. Também vejo muito sucesso...
    A cigana falava rápido e da mesma forma as preocupações foram sumindo rápido da cabeça de Frederico. Aliviado, ele retira o dinheiro que dispõe em sua carteira e alcança para a cigana, entrando no carro e dirigindo-se até a casa de Mickael .
    A empregada atende levando-o até a sala onde Mickael  o espera. Sobre uma mesa, uma grande pasta em couro, do tipo catálogo, com um bonito laço de fita em volta.
    - Mickael, o que houve?
    - Sente-se amigo, chamei você aqui porque tenho um presente para lhe dar.
    Pegando da pasta, Mickael  entrega-a ao amigo e pede que abra.
    Na pasta há notas e recibos de altos valores, Frederico estranha:
    - O que é isso?
   - Isso?! Isso é o que você me deve: Cirurgia de lipoaspiração R$ 8.000,00, implantação de silicone R$ 5.500,00, mega hair R$ 4.250,00, implante dentário R$ 6.185,00, massagista.., cosmetologista... esteticista..., enfim, veja você mesmo.
    - Pode deixar o cheque sobre a mesa. A pasta é sua. ... Ah, Fredy, por favor não esqueça de levar a Raquel com você. Mas cuidado, pois o pior cego é aquele que não quer ver.


quinta-feira, 12 de maio de 2011

Abecedário da Xuxa

A de amor
B de baixinho
C de coração
D de docinho
E de escola
F de feijão
G de gente
H de humano
I de igualdade
J juventude
L liberdade
M molecagem
N natureza
O obrigado
P proteção
Q de quero-quero
R de riacho
S saudade
T de terra
U de universo
V de vitória
X do que que é?
É Xuxa!!! e
Z zum zum zum
Vamos brincar
Vamos dançar
Alegria pra valer
Com o abecedário da xuxa
vamos aprender
Ehhhh!!!!

Vamos brincar
Vamos dançar
Alegria pra valer
Com o abecedário da xuxa
vamos aprender
Ehhhh!!!!

quarta-feira, 11 de maio de 2011

ABECEDÁRIO DA XUXA

<object width="353" height="132"><embed src="http://www.goear.com/files/external.swf?file=2743921" type="application/x-shockwave-flash" wmode="transparent" quality="high" width="353" height="132"></embed></object>

terça-feira, 10 de maio de 2011

União das linguagens visual, auditiva e verbal

MÚSICA "Years of Solitude" de Astor Piazzolla e Gerry Mulligan 

http://www.goear.com/files/external.swf?file=d3dd0fd


  
A grande arte da vida está em fazer da solidão, 
um grande encontro com a paz.

domingo, 8 de maio de 2011

BRINCANDO COM POESIAS

Nossas crianças quando chegam à escola já trazem consigo alguma experiência com relação à poesia. Essas experiências vêm das cantigas de ninar, cantigas de roda, parlendas, adivinhas e poemas de entretenimento aprendidas na família e/ou na creche. O que se pode perceber, também é que a criança já traz dentro de si, o dom do gosto pela poesia, pela música, enfim de fazer determinada atividade, influenciada pela família e grupo de convívio antes de ir para a escola. Cabe então à escola dar continuidade ao desenvolvimento daquilo que a criança já traz dentro de si. Mas, a escola precisa apresentar e trabalhar a poesia como brincadeiras com as palavras.
A poesia é uma atividade encantadora, que nos transporta para um mundo em que as palavras ganham vida e autonomia. As brincadeiras infantis estão cheias de poesias, de sons, presentes nas cantigas de rodas, parlendas e quadrinhas. Elas brincam com os sons, usam e abusam de trocadilhos, aproximam-se mais da linguagem e do jeito de sentir das crianças. Não há criança que não se divirta com um bom jogo de rimas ou mesmo com uma série complicada de sons para pronunciar, como no caso dos trava-línguas.
O trabalho com poemas estimula a sensibilidade, familiariza a criança com uma linguagem mais elaborada, estimula a oralidade, a criatividade, a reflexão, a memorização e a criação. Tudo isso, brincando com palavras.
Para brincar com as palavras, as crianças também precisam se divertir com as imagens, se encantar com as rimas, se deslumbrar com as histórias e, depois de tudo isso se sentirem motivadas a conversar sobre o que leram ou ouviram, escrever suas próprias rimas e poemas, ler e recitar poesias, desenhar painéis que demonstrem suas sensações e versões das poesias trabalhadas.
A rima é um recurso agradável e divertido, a representação do poema (dramatização) é onde eles próprios se encarregam da coreografia e apresentação do mesmo, sendo na pré-escola que tentamos recuperar a maneira lúdica e espontânea das primeiras experiências das crianças, através de atividades de repetição de sons, aliadas a movimentos corporais, presentes nas parlendas, nas cantigas de rodas, nas brincadeiras e jogos infantis.
O trabalho com poesia deve ser feito sem a preocupação com outros conteúdos e também não deve ter preocupação com o estilo, rima ou outra cobrança do professor. Assim, quando a criança é livre para criar sua poesia o trabalho fica divertido e interessante. Pode-se trabalhar sobre um assunto, uma gravura, um acontecimento, exercitando a criação das crianças. Também se podem fazer brincadeiras do tipo rima-rima, onde cada um aponta uma palavra que rima com outra e depois essas palavras podem ser usadas para elaborar um texto. As letras de música são poesias e pode-se trabalhar com paródias, criando novas letras para melodias já existentes. Outro trabalho que pode ser feito é completar poemas onde foram tiradas algumas palavras. Com os nomes também se pode brincar de encontrar rima.
Infelizmente há professores que teimam em “castigar” seus alunos dando a eles leituras que os distanciam das delícias dos textos divertidos, e tentam em tudo "achar" um conteúdo para trabalhar, usando o texto como pretexto. E há ainda os que submetem os alunos a tenebrosas leituras obrigatórias que pouco ou nada deixam de proveitoso e que, de quebra ainda consistem em avaliações monótonas e nada significativas. Se a leitura não está em sintonia com o universo em que vivem os leitores é pouco provável que ela frutifique, que gere resultados ou ainda que promova o conhecimento. A leitura precisa ser agradável e contextualizada. Por isso, que tal brincar com poesias?

sábado, 7 de maio de 2011

Afinal, o que é poesia?

A POESIA É UMA PULGA

A poesia é uma pulga,
coça, coça, me chateia,
entrou por dentro da meia,
saiu por fora da orelha,
faz zumbido de abelha,
mexe, mexe, não se cansa,
nas palavras se balança,
fala, fala e não se cala,
a poesia é uma pulga,
de pular não tem receio,
adora pular na escola...
Só na hora do recreio!
Sylvia Orthof

POESIA É BRINCAR COM PALAVRAS
como se brinca
com bola, papagaio, pião.
Só que
Bola, papagaio, pião
de tanto brincar
se gastam.
As palavras não:
Quanto mais se brinca
com elas
mais novas ficam."
        
José Paulo Paes



Um bom poema é aquele que nos dá 
a impressão de que está lendo a gente ... 
e não a gente a ele!
                                          Mario Quintana



O poeta vai tirando da vida
os seus poemas
como pássaros desobedientes
e amestrados

A palavra é o seu castelo
sua árvore encantada,
abracadabra construindo o universo.
                                                Roseana Murray

ONDE ESTÁ A POESIA?
 Está em cada ser
Em cada amanhecer
Em cada anoitecer

Em cada vida encontramos a poesia
                    No pensar
                    No sentir
                    No agir
Tudo é movimento
Na dança
No vento
Na chuva

                   A poesia está aqui,
                   Ali e em qualquer lugar,
                                  Basta sonhar.
                                     Brisa
           Há poesia
           Na dor
           Na flor
           No beija-flor
           No elevador

                              Oswald de Andrade


quinta-feira, 5 de maio de 2011

POESIA ?!... TEM TUDO A VER...

TEM TUDO A VER
            Elias José
                                               
A poesia
tem tudo a ver
com tua dor e alegrias,
com as cores, as formas, os cheiros,
os sabores e a música
do mundo.

A poesia
tem tudo a ver
com o sorriso da criança,
o diálogo dos namorados,
as lágrimas diante da morte,
os olhos pedindo pão.

A poesia
tem tudo a ver
com a plumagem, o vôo e o canto,
a veloz acrobacia dos peixes,
as cores todas do arco-íris,
o ritmo dos rios e cachoeiras,
o brilho da lua, do sol e das estrelas,
a explosão em verde, em flores e frutos.

A poesia
- é só abrir os olhos e ver –
tem tudo a ver
com tudo.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Na história em quadrinhos, uma situação que envolve diferentes sentidos às palavras...

           As histórias em quadrinhos são sempre muito bem aceitas pelas crianças. As imagens, o colorido, as "falas" em formatos, tamanhos e cores diferenciados, além do movimento que sugerem, permitindo uma leitura do conjunto é de uma riqueza muito grande. 
          Vale a pena trabalhar com histórias em quadrinhos!


domingo, 1 de maio de 2011

A vivência cultural interfere na significação das palavras...

Essa é antiga, mas é verídica!
        Um jovem cuja família morava na cidade de Caibaté convidara sua namorada, uma moça da cidade, para acompanhá-lo até a casa dos pais a fim de conhecê-los.
        Seguiram os dois pelo trajeto mais curto, saindo de Cerro Largo e tendo que fazer a travessia do rio Ijuí através de uma pequena balsa, na Vila Tremônia.
       A moça, que nunca havia feito a travessia, ficou bastante apreensiva, questionou o noivo sobre a segurança da embarcação que era simples, com capacidade para dois a três carros, na época.
      - Fica tranquila, esses moços estão acostumados a fazer a travessia, não tem problema.
      Disse, referindo-se aos rapazes caboclos que cuidavam da balsa e que se movimentavam de um lado a outro da mesma, ora soltando cordas, ora esticando as mesmas.
      Quando estavam próximos da outra margem do rio, um dos rapazes gritou ao que estava no outro lado da embarcação:
      - Bombeia aí!
      A moça imediatamente entrou em pavor:
      - Estamos afundando, eles vão bombear a água que está entrando nas chalanas que sustentam a balsa!
      O noivo riu:
      - Não é nada disso. “Bombeia” para eles quer dizer olha. Olha aí se estamos na direção certa para atracar a balsa, só isso.

Outra verídica!

LANCHANDO NO RIO DE JANEIRO

Um amigo nosso, caminhoneiro, costuma levar sua família em viagens durante as férias escolares.
     Em uma dessas ocasiões, acompanhado da esposa e da filha de 12 anos, com um carregamento de alho, chegaram ao CEASA, no Rio de Janeiro logo pela manhã, após longa e cansativa viagem.
     Enquanto aguardavam o descarregamento, dirigiram-se uma lanchonete ali mesmo. Acomodaram-se em uma mesa e ele pergunta à filha e à esposa o que gostariam de comer e beber para o desjejum. 
     A mãe e a menina pedem uma batida, pensando em um farto copo de leite com frutas, e para comer, torradas, como as de presunto e queijo que costumam comer nas lancherias de sua cidade.
     Aos olhares de todos a sua volta, que logo percebem tratar-se de pessoas do sul, nosso amigo vai até o balcão e pede:
- Um café e dois pastéis para mim, um copo de batida e torradas para minha esposa e a menina.
- O gaúcho tem certeza, a batida é para elas?
- Preocupado com o caminhão e com a família, ele confirma, sério e ríspido.
- Sim, por quê? Não tem?
- Tem, é que essa hora, e a menina...
Quando o rapaz do bar traz o solicitado é que foram entender sua insistência em confirmar o pedido: a batida era uma espécie de caipirinha com cachaça, limão e açúcar e a torrada, uma fatia de pão torrado com manteiga.
Explicando, para desfazer o mal-entendido, descobriram que para os cariocas, a batida que elas queriam, era vitamina e a torrada, misto quente.

sábado, 16 de abril de 2011

Conheça um pouquinho de Cerro Largo...



O município de Cerro Largo está situado a Noroeste no Estado do Rio Grande do Sul,  na Região das Missões, possui uma área de 178km² (cento e setenta e oito quilômetros quadrados) e população de 13.289 , essencialmente de origem germânica.
A economia de Cerro Largo tem a maior renda na agricultura e no comércio. Com destaque, na agricultura, para a soja, o trigo e o milho. Na pecuária destaca-se a criação de suínos e bovinos, com ênfase no gado leiteiro e produção de leite. Já no comércio destaca-se o ramo de vestuários e de alimentação. Na indústria destacam-se os ramos de metalúrgicas, de laticínios, implementos agrícolas, de móveis, de confecções, entre outros.
Possuímos boa rede de escolas entre miunicipais, estaduais e particulares que atendem da educação infantil ao ensino médio. E, no ensino superior contamos com a URI (Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões) - Extensão de Cerro Largo, a Universidade Federal Fronteira Sul – UFFS e o Pólo da UAB de Cerro Largo, com cursos através das universidades federais UFPel, UFSM e UFRGS.
Somos um município próspero e hospitaleiro que através da Cultura Germânica em seus diversos segmentos como: costumes, gastronomia, etnia, folclore, e arquitetura, procura preservar os valores  deixados pelos colonizadores alemães.  


segunda-feira, 11 de abril de 2011

Como uma onda no mar...


Como Uma Onda

Lulu Santos

Composição : Lulu Santos / Nelson Motta
Nada do que foi será
De novo do jeito que já foi um dia
Tudo passa
Tudo sempre passará
A vida vem em ondas
Como um mar
Num indo e vindo infinito
Tudo que se vê não é
Igual ao que a gente
Viu há um segundo
Tudo muda o tempo todo
No mundo
Não adianta fugir
Nem mentir
Pra si mesmo agora
Há tanta vida lá fora
Aqui dentro sempre
Como uma onda no mar
Como uma onda no mar
Como uma onda no mar
Nada do que foi será
De novo do jeito
Que já foi um dia
Tudo passa
Tudo sempre passará
A vida vem em ondas
Como um mar
Num indo e vindo infinito
Tudo que se vê não é
Igual ao que a gente
Viu há um segundo
Tudo muda o tempo todo
No mundo
Não adianta fugir
Nem mentir pra si mesmo agora
Há tanta vida lá fora
Aqui dentro sempre
Como uma onda no mar
Como uma onda no mar
Como uma onda no mar
Como uma onda no mar
Como uma onda no mar

Assim é a vida... Com altos e baixos, feito as ondas do mar, onde nossas ações não podem ser reeditadas, é preciso que tenhamos consciência, é preciso que aprendamos a "navegar" nesse mar que é a vida sem medo, sem mentiras, pois...  há tanta vidafora... há tanta vida aqui dentro...  sempre...

Por que essa música???
A letra é linda e verdadeira, e pode ser aplicada também à educação, se percebermos que devemos acompanhar a evolução dos tempos, pois "tudo muda o tempo todo no mundo". Como educadores precisamos nos apropriar das tecnologias, não podemos permanecer somente com a lousa e o giz, já que "tudo passa". É compromisso nosso também descortinar a "vida lá fora", como mediadores, proporcionando leituras dos diferentes gêneros, descortinando o mundo, mas conscientes de que a percepção e as emoções do sujeito-leitor são importantes pois "há tanta vida aqui dentro sempre". E, a música é muito gostosa. Então aí está..."Como uma onda no mar"...
CURTAM!